Lote 1
Carregando...

Tipo:
Litogravura

Sérgio Telles. "Escola de Minas de Ouro Preto", litogravura emoldurada, mede 80 cm x 100 cm. Sérgio Telles (Rio de Janeiro RJ 1936). Desenhista, pintor e ilustrador.Sergio Barcellos Telles estudou na Colméia em meados de 1954, no Rio de Janeiro. Realizou sua primeira exposição individual em 1955, no Rio de Janeiro. Em 1957, viaja pela Europa e visita os principais museus da Itália, França, Holanda e Portugal. Nessa mesma época, faz estágio nos serviços de restauração da Pinacoteca do Vaticano. De volta ao Brasil, frequenta os ateliês de Rodolfo Chambelland, Oswaldo Teixeira e de Marie Nivoulies de Pierrefort, no Rio de Janeiro. Em 1964, ingressa na carreira diplomática. Na década de 70, viaja para Porto Seguro, Bahia, por sugestão do escritor Jorge Amado, e realiza desenhos e óleos, publicados em livro, com a colaboração de Jorge Amado e Jeanine Warnwood. É autor de Nivouliès de Pierrefort, editado em Buenos Aires pelo Museu de Arte Moderna, 1974; e ilustrador de Rio de Janeiro, lançado no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 1978.Críticas"Sergio Telles pode ser considerado um continuador da tradição fovista: sua sensibilidade para os efeitos cromáticos e sua corajosa justaposição de contrastes revelam um gosto refinado, para o qual contribuem de modo preponderante os tons vibráteis. Sua contribuição pessoal ao Fovismo reside na nota exótica oriunda tanto de sua própria natureza quanto da luminosidade brasileira. Essa nota é onipresente em sua obra, ainda quando busca dar uma versão pessoal dos céus cinzentos ou azulados de Paris. As pinturas de Telles podem ser tanto fluidas e delicadas quanto muitas vezes brutais e realistas. E esse dualismo pode ser observado de modo particular quando se compara seus trabalhos de pequenas dimensões aos maiores. Os pequenos podem ser encarados como esboço, e é neles que o artista atinge maior grau de delicadeza, ternura e espontaneidade. (...) A análise da obra de Telles, baseada em seus trabalhos mais recentes, revela que ele continua a utilizar a intensidade luminosa típica do Fovismo, ao mesmo tempo, porém, que a vem conciliando com o brilho, o vigor e até a brutalidade do Expressionismo. (...)"Georges PillementSÉRGIO Telles. Apresentação de Renato Magalhães Gouvêa. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1981."Sergio Telles é brasileiro. Sua presença e sua contribuição à arte européia fazem-se sentir de modo particularmente marcante num reencontro renovado da pintura com a natureza, o figurativo, a alegria de viver. Vivendo em Paris desde há vários anos, Sergio Telles restitui-nos a paleta luminosa e vibrante do ´plen-air´, o prazer da pintura liberta de fórmulas demasiado intelectuais e da obsessão da novidade. Uma obra simples e direta, através da qual o homem moderno se reconcilia com o prazer da contemplação".Claude Grand-ClaudonSÉRGIO Telles. Apresentação de Renato Magalhães Gouvêa. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1981.Exposições Individuais1955 - Rio de Janeiro RJ - Primeira individual1969 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, na Galeria L'Angle Aigu1969 - Paris (França) - Individual, na Galeria Debret1972 - Buenos Aires (Argentina) - Individual, na Galeria Wildenstein1973 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA1973 - São Paulo SP - Individual, na Pinacoteca do Estado1977 - São Paulo SP - Individual, no MAB-FAAP1977 - Buenos Aires (Argentina) - Individual, na Galeria Wildenstein1977 - Paris (França) - Individual, na Galeria La Cave1978 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Galeria Wildenstein1979 - Paris (França) - Individual, na Galeria La Cave1979 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Lebreton1980 - Osaka (Japão) - Individual, na Galeria Fujikawa1981 - São Paulo SP - Individual, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1982 - Paris (França) - Retrospectiva, no Museu Carnavalet1986 - Genebra (Suíça) - Homenagem aos 50 Anos de Sergio Telles, no Museu Petit Palais1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA1988 - São Paulo SP - Retrospectiva, no Masp1989 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráphico1992 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Bonino1994 - São Paulo SP - Individual, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1994 - Salvador BA - Individual, no Escritório de Arte da Bahia1995 - Belo Horizonte MG - Sérgio Telles: Pinturas e Desenhos, no BDMG CulturalExposições Coletivas1954 - Rio de Janeiro RJ - Salão Nacional de Belas Artes - prêmio estímulo1979 - Hanover (Alemanha) - Coletiva, na Galeria Rosenbach1979 - Genebra (Suíça) - Coletiva, na Galeria do Perron1980 - Buenos Aires (Argentina) - Ochenta Aos de Arte Brasileo, no Banco Itaú1981 - Tóquio (Japão) - Júlio Pacello e suas Edições de Arte, na Biblioteca Municipal1982 - Miê (Japão) - Coletiva, no Museu de Arte Moderna1982 - Buenos Aires (Argentina) - Coletiva, na Galeria Wildenstein1987 - Hanover (Alemanha) - Coletiva, na Galeria Rosenbach1988 - Buenos Aires (Argentina) - Coletiva, na Galeria Wildenstein1988 - Genebra (Suíça) - Coletiva, na Galeria do Perron1989 - Washington D.C. (Estados Unidos) - Exposição, no Museu da OEA1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB1994 - Poços de Caldas MG - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos de Unibanco, na Casa da Cultura1995 - Rio de Janeiro RJ - Os Ateliers do Viajante, na MAM/RJ1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ1995 - São Paulo SP - Projeto Arte Atual Brasil, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1996 - São Paulo SP - Pintura, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte2005 - São Paulo SP - Acervo 2005, no MAB-FAAPFonte: Itaú Cultural.

Peça

Visitas: 419

Tipo: Litogravura

Sérgio Telles. "Escola de Minas de Ouro Preto", litogravura emoldurada, mede 80 cm x 100 cm. Sérgio Telles (Rio de Janeiro RJ 1936). Desenhista, pintor e ilustrador.Sergio Barcellos Telles estudou na Colméia em meados de 1954, no Rio de Janeiro. Realizou sua primeira exposição individual em 1955, no Rio de Janeiro. Em 1957, viaja pela Europa e visita os principais museus da Itália, França, Holanda e Portugal. Nessa mesma época, faz estágio nos serviços de restauração da Pinacoteca do Vaticano. De volta ao Brasil, frequenta os ateliês de Rodolfo Chambelland, Oswaldo Teixeira e de Marie Nivoulies de Pierrefort, no Rio de Janeiro. Em 1964, ingressa na carreira diplomática. Na década de 70, viaja para Porto Seguro, Bahia, por sugestão do escritor Jorge Amado, e realiza desenhos e óleos, publicados em livro, com a colaboração de Jorge Amado e Jeanine Warnwood. É autor de Nivouliès de Pierrefort, editado em Buenos Aires pelo Museu de Arte Moderna, 1974; e ilustrador de Rio de Janeiro, lançado no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 1978.Críticas"Sergio Telles pode ser considerado um continuador da tradição fovista: sua sensibilidade para os efeitos cromáticos e sua corajosa justaposição de contrastes revelam um gosto refinado, para o qual contribuem de modo preponderante os tons vibráteis. Sua contribuição pessoal ao Fovismo reside na nota exótica oriunda tanto de sua própria natureza quanto da luminosidade brasileira. Essa nota é onipresente em sua obra, ainda quando busca dar uma versão pessoal dos céus cinzentos ou azulados de Paris. As pinturas de Telles podem ser tanto fluidas e delicadas quanto muitas vezes brutais e realistas. E esse dualismo pode ser observado de modo particular quando se compara seus trabalhos de pequenas dimensões aos maiores. Os pequenos podem ser encarados como esboço, e é neles que o artista atinge maior grau de delicadeza, ternura e espontaneidade. (...) A análise da obra de Telles, baseada em seus trabalhos mais recentes, revela que ele continua a utilizar a intensidade luminosa típica do Fovismo, ao mesmo tempo, porém, que a vem conciliando com o brilho, o vigor e até a brutalidade do Expressionismo. (...)"Georges PillementSÉRGIO Telles. Apresentação de Renato Magalhães Gouvêa. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1981."Sergio Telles é brasileiro. Sua presença e sua contribuição à arte européia fazem-se sentir de modo particularmente marcante num reencontro renovado da pintura com a natureza, o figurativo, a alegria de viver. Vivendo em Paris desde há vários anos, Sergio Telles restitui-nos a paleta luminosa e vibrante do ´plen-air´, o prazer da pintura liberta de fórmulas demasiado intelectuais e da obsessão da novidade. Uma obra simples e direta, através da qual o homem moderno se reconcilia com o prazer da contemplação".Claude Grand-ClaudonSÉRGIO Telles. Apresentação de Renato Magalhães Gouvêa. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1981.Exposições Individuais1955 - Rio de Janeiro RJ - Primeira individual1969 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, na Galeria L'Angle Aigu1969 - Paris (França) - Individual, na Galeria Debret1972 - Buenos Aires (Argentina) - Individual, na Galeria Wildenstein1973 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA1973 - São Paulo SP - Individual, na Pinacoteca do Estado1977 - São Paulo SP - Individual, no MAB-FAAP1977 - Buenos Aires (Argentina) - Individual, na Galeria Wildenstein1977 - Paris (França) - Individual, na Galeria La Cave1978 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Galeria Wildenstein1979 - Paris (França) - Individual, na Galeria La Cave1979 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Lebreton1980 - Osaka (Japão) - Individual, na Galeria Fujikawa1981 - São Paulo SP - Individual, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1982 - Paris (França) - Retrospectiva, no Museu Carnavalet1986 - Genebra (Suíça) - Homenagem aos 50 Anos de Sergio Telles, no Museu Petit Palais1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA1988 - São Paulo SP - Retrospectiva, no Masp1989 - Brasília DF - Individual, na Galeria Oscar Seráphico1992 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Bonino1994 - São Paulo SP - Individual, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1994 - Salvador BA - Individual, no Escritório de Arte da Bahia1995 - Belo Horizonte MG - Sérgio Telles: Pinturas e Desenhos, no BDMG CulturalExposições Coletivas1954 - Rio de Janeiro RJ - Salão Nacional de Belas Artes - prêmio estímulo1979 - Hanover (Alemanha) - Coletiva, na Galeria Rosenbach1979 - Genebra (Suíça) - Coletiva, na Galeria do Perron1980 - Buenos Aires (Argentina) - Ochenta Aos de Arte Brasileo, no Banco Itaú1981 - Tóquio (Japão) - Júlio Pacello e suas Edições de Arte, na Biblioteca Municipal1982 - Miê (Japão) - Coletiva, no Museu de Arte Moderna1982 - Buenos Aires (Argentina) - Coletiva, na Galeria Wildenstein1987 - Hanover (Alemanha) - Coletiva, na Galeria Rosenbach1988 - Buenos Aires (Argentina) - Coletiva, na Galeria Wildenstein1988 - Genebra (Suíça) - Coletiva, na Galeria do Perron1989 - Washington D.C. (Estados Unidos) - Exposição, no Museu da OEA1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB1994 - Poços de Caldas MG - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos de Unibanco, na Casa da Cultura1995 - Rio de Janeiro RJ - Os Ateliers do Viajante, na MAM/RJ1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ1995 - São Paulo SP - Projeto Arte Atual Brasil, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte1996 - São Paulo SP - Pintura, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte2005 - São Paulo SP - Acervo 2005, no MAB-FAAPFonte: Itaú Cultural.

Vídeo

Informações

Lance

    • 1 lance(s)

    • R$ 1,000.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente espertizadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª Em caso eventual de engano na espertizagem de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª As peças estrangeiras serão sempre vendidos como Atribuídas.

    4ª O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação.Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª O Leiloeiro colocará a titulo de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª O Leiloeiro se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação

    12ª Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª As peças adquiridas deverão ser pagas IMPRETERIVELMENTE em até 72 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª O descumprimento destas condições pelo arrematante resultará na impossibilidade do mesmo alegar qualquer fim de direito, ficando eleito o foro do estado de São Paulo; Comarca da Capital, para dirimir qualquer incidente alusivo à arrematação.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito.

    O pagamento deverá ser feito no prazo de até 72 horas do final do leilão

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Peças grandes e ou delicadas terão que ser enviadas por transportadora que deverá ser contratada pelo arrematante.


    Veja nas Condições de Venda do Leilão.


    Despachamos para todos os estados.

    Não estamos disponibilizndo retirada.